Cidade do futuro – Masdar

Enquanto para muitos o uso de tecnologias limpas é algo reservado somente para o futuro, uma cidade construída em meio ao deserto nos Emirados Árabes Unidos prova o contrário. O monumento tecnológico conhecido como Masdar City mostra que, com um pouco de boa vontade (e muito dinheiro), é possível construir ambientes gigantescos que consomem uma quantidade muito pequena de energia.

O projeto, que pode ser considerado um verdadeiro experimento social com centenas de cobaias humanas, foi desenhado pelo arquiteto britânico Norman Foster. Entre os recursos disponíveis aos residentes estão carros elétricos que se movimentam sem o auxílio de motoristas, ruas resfriadas por uma gigantesca torre eólica e até mesmo uma “polícia verde” responsável por gerenciar o gasto de energia dos moradores.

A cidade do futuro

A partir da primeira etapa de concepção de Masdar, iniciada em 2006, foram necessários três anos para que o projeto se tornasse uma realidade. Com investimento calculado de US$ 1,4 bilhão, a cidade atualmente conta com seis prédios, uma rua principal, 101 apartamentos pequenos, uma imensa livraria eletrônica e, no centro de tudo, o Masdar Institute (Instituto Masdar).

O instituto, que se trata de uma ramificação do Massachusetts Institute of Technology (MIT), possui 167 estudantes e 43 professores com origens distintas, a maioria estrangeira. Entre os serviços disponíveis no campus está um banco, um restaurante japonês, cantina e até mesmo uma loja de comida orgânica.

No subterrâneo estão disponíveis 10 veículos elétricos que operam de forma totalmente automática, dispensando qualquer motorista. Com eles, estudantes e funcionários podem realizar o trajeto de 800 metros que separam a entrada de Masdar e o instituto.

Tecnologias limpas

Um dos destaques da cidade, tanto no aspecto tecnológico quanto visual, é a torre eólica de 45 metros que informa aos cidadãos a quantidade de energia consumida na cidade, também responsável por gerar eletricidade a partir dos ventos fortes característicos da região.

Painéis solares estrategicamente localizados são responsáveis pela produção de grande parte da energia consumida. Para complementar, também é usado gás natural como forma de garantir o isolamento térmico de alguns dos edifícios da cidade.

Porém, as tecnologias limpas não param por aí. Entre os projetos que estão sendo desenvolvidos está uma usina de dessalinização da água movida a partir de energia solar. Além de projetos que usam espelhos como forma de concentrar os raios de sol para aquecer grandes quantidades de água, tendo como resultado a produção de eletricidade.

Polícia verde

O compromisso de Masdar com o baixo de consumo de energia é tanto que a cidade chegou a desenvolver uma força policial especializada no assunto. Toda vez que um estudante usa uma máquina, abre a geladeira ou deixa uma lâmpada acessa, envia dados a uma central inteligente responsável por controlar o consumo de energia durante todo o dia.

Caso detecte alguma anormalidade, um dos operadores do sistema pode interromper durante tempo indeterminado os privilégios de algum apartamento. Além disso, sensores inteligentes desligam automaticamente chuveiros após alguns minutos de uso, assim como geladeiras, fogões e luzes que ficam ligados durante muito tempo.

A forma como a Polícia verde atua pode parecer autoritária, mas seus métodos resultam em prédios que consomem 50% a menos de energia do que construções tradicionais. Também há um menor consumo de água e produção reduzida de lixo, além da produção de carbono ser praticamente nula – cortesia das fontes de produção limpas utilizadas.

Segundo os administradores da cidade, as reclamações dos estudantes são frequentes, especialmente no que diz respeito à temperatura do ar condicionado. Porém, há um consenso geral de que certas concessões precisam ser feitas para respeitar as metas determinadas e tornar o projeto viável.

Desenvolvimento constante

A segunda fase da construção de Masdar City, com fim programado ainda para 2011, vai adicionar 222 novos apartamentos, além de novas ruas e lojas à cidade. Em 2013, deve ser finalizada a construção da nova sede da Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA), com custo aproximado de US$ 800 milhões.

A expectativa é que, até 2015, cerca de 7 mil pessoas habitem as construções futuristas do local. Além disso, a expectativa é que cerca de 12 mil pessoas façam o trajeto diário do local até a cidade mais próxima, Abu Dhabi.

Conceitos readaptados

Apesar do plano original de finalizar a construção da cidade em 2016, a recessão econômica global fez com que a equipe responsável tivesse que rever seus planos. A falta de incentivos ao mercado de tecnologias limpas também teve resultados negativos, o que obrigou o projeto a rever seu tamanho e alcance.

A expectativa é que a construção de Masdar City só esteja finalizada em algum momento entre 2021 e 2025. Neste ponto, a população da cidade não deve exceder as 40 mil pessoas ao todo – valor bem diferente dos planos originais, que previam 50 mil residentes fixos e 40 mil temporários.

Além disso, as mudanças na economia global fizeram com que o desenvolvimento de outra cidade semelhante fosse totalmente abandonado. Da mesma forma, planos para a construção de uma usina de força baseada no uso de hidrogênio e de um novo projeto baseado em energia solar tiveram que ser totalmente descartados.

Os objetivos do projeto permanecem os mesmos, porém os obstáculos enfrentados fizeram com que alguns planos tivessem que ser revistos. Segundo Dale Rollins, ex-executivo da Shell responsável pela operação geral do projeto, mais do que representar um obstáculo, as mudanças tecnológicas e econômicas servem como incentivo para obter resultados ainda melhores e com gastos menores do que o planejado.


Fonte: Tecmundo

Leave a reply