Vidro multifuncional tem dupla personalidade

Antirreflexo

George Barbastathis e seus colegas do MIT criaram um vidro texturizado que não apenas pode evitar os reflexos, como se tornar autolimpante e à prova de embasamento. Esse vidro, que seus criadores chamam de “vidro multifuncional”, tem uma superfície nanoestruturada, repleta de minúsculos cones, cada um medindo 200 nanômetros de diâmetro na base, e projetando-se por outros 200 nanômetros de altura. A primeira propriedade obtida com essa nanoestrutura é o antirreflexo. Mas não é a única.

vidro multifuncional

Superhidrofilicidade

As nanorrugosidades dão ao vidro a propriedade da superhidrofilicidade, um fenômeno descoberto em 1995, que cria uma película homogênea de água sobre o material, tornando o vidro antiembaçante e autolimpante. A película de água não apenas impede a incrustação de compostos orgânicos, como remove qualquer partícula que já esteja depositada.

Superhidrofobicidade

Contudo, basta adicionar um componente extra, um surfactante, para que o vidro multifuncional reverta completamente seu comportamento, passando a apresentar a superhidrofobicidade, ou seja, ele passa a repelir completamente a água. Segundo Barbastathis, a nanoestrutura no formato dos cones evita a perda das propriedades com o uso do vidro, tornando-o mais durável.

Mais luz para a energia solar

Segundo ele, o vidro multifuncional pode ter inúmeras aplicações, mas a energia solar parece ter muito a ganhar. Os painéis solares perdem eficiência com o tempo devido à deposição de poeira, que impede que a luz do Sol chegue até as células solares propriamente ditas. Assim, um vidro autolimpante seria a escolha ideal para recobri-los.

Além disso, a propriedade óptica do antirreflexo otimiza o rendimento dos painéis solares conforme aumenta o ângulo de incidência da luz solar, ao permitir que mais luz chegue às células solares.

Autolimpante de fora e antiembaçante de dentro

O setor da construção civil e os automóveis também poderão ser beneficiados. “Você pode ter um vidro com superhidrofobicidade do lado de fora, para que a água não se acumule e retire a sujeira, e superhidrofilicidade do lado de dentro, para que o vidro não embace,” disse Barbasththis.

A técnica de fabricação do vidro multifuncional ainda é complicada e cara, mas o pesquisador afirma que, no futuro, ele poderá ser fabricado “simplesmente passando o vidro através de um par de rolos texturizados enquanto o vidro ainda está parcialmente fundido.”

inovação tecnologica

Postagens relacionadas
Leave a reply